Sobre o Galego português

A DIVISÃO DO GALEGO-PORTUGUÊS
EM PORTUGUÊS E GALEGO,
DUAS LÍNGUAS COM A MESMA ORIGEM
Nilsa Areán-García (USP)
nilsa.arean@gmail.com / nilsa.garcia@usp.br

RESUMO
Na Alta Idade Média, de acordo com Silva Neto (1977, p. 329-331, 344-345),
era notória no ocidente da península Ibérica uma diferença cultural e linguística
entre as terras situadas ao norte e ao sul do rio Douro, coincidindo com a divisão
dos territórios administrativos romanos: Lusitania e Galaecia; esta última coincidiu
também com o território do reino suevo que, segundo Monteagudo (1999, p.
69), foi fundamental para o início das particularidades distintivas do galegoportuguês
diante dos demais falares românicos da península. No entanto, foi a
partir do processo de Reconquista cristã que o rio Minho, e não mais o Douro, se
consolidou como a fronteira cultural entre a Galiza e os territórios em poder dos
islâmicos, com outras culturas e outros falares. De fato, o rio Minho já se tornara
a fronteira, ainda não definitiva, entre os cristãos e os muçulmanos durante o
reinado de Afonso I (739-757), mesmo durante o reinado de Afonso III (866-910),
quando os cristãos já ultrapassaram o rio Douro com a Reconquista, o território
entre o Douro e o Minho, ainda era uma região estratégica e instável pelas constantes
lutas e batalhas ali travadas. Em 1093, durante o reinado de Afonso VI
(1065-1109), houve a divisão da Galiza e a criação do Condado Portucalense,
tendo justamente o rio Minho como marca divisória, que se tornou definitivamente
a fronteira em 1179 com a criação do Reino de Portugal, constituindo
também, até os dias de hoje, a fronteira linguístico-cultural entre o galego e o
português.
Palavras-chave: Galego-português. Origem das línguas. Origem do português.
Origem do galego. História do português. História do galego.
Historicamente, sabemos que as línguas portuguesa e galega
têm raízes comuns, cujas origens, conforme Areán-García (2009, p.
25, 44-47) remontam ao processo de romanização e reconquista cristã
da península Ibérica, entretanto, são línguas distintas dado que tiveram,
a partir do galego-português, desenvolvimentos diferentes pelas
peculiaridades históricas e políticas de cada território em que frutificaram.
Durante o reinado de Fernando I (1035-1063), os territórios
cristãos já se estendiam até Coimbra e avançavam em direção ao sul
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 8 jan./abr. 2011
da península Ibérica. Um pouco antes de sua morte, Fernando I dividiu
o reino entre seus filhos: deixando a região de Castela a Sancho
II, Leão a Afonso VI e Galiza a García I. Então, durante o período de
1065 a 1090, a Galiza se tornou um reinado independente sob a coroa
de García I, cujos limites ao sul ultrapassavam as margens do rio
Douro e, a leste, se estendiam por terras que hoje são asturianas, leonesas
e também de Zamora.
Entretanto, estrategicamente, Afonso VI usurpou-lhe a coroa
a Sancho II, unificando os dois reinos e tornando-se o soberano de
Castela e Leão. Analogamente ao que fizera com Sancho II, Afonso
VI, o primogênito dos irmãos e já rei de Castela e Leão, arrebatou
também a coroa de García I, alegando haver problemas com os sarracenos
ao sul do rio Minho, reunificou assim os três reinos por ele
subdivididos em condados sob o seu poder hegemônico. Segundo
Mariño Paz (1999, p. 104), sua cobiça por aumento de poder e de território
motivou a fragmentação da unidade político-cultural galega.
A região galega foi, então, dividida em duas, ao norte do rio
Minho, o rei de Castela e Leão enviou sua filha Dona Urraca, casada
com Dom Raimundo de Borgonha como condes de Galiza, em 1090.
A região ao sul do rio Minho foi nomeada Condado Portucalense e
entregue à sua outra filha Dona Teresa casada com Dom Henrique de
Borgonha, em 1093. De acordo com Lorenzo (1994, p. 35-36), este
ato marcou definitivamente a fronteira política entre Portugal e Galiza
e a fronteira linguística entre o português e o galego, definindo o
início da desagregação do bloco político-cultural galaico. Assim, a
região norte-galaica ficou sob o jugo do reino centralizador de Castela,
uma vez que Urraca era a herdeira direta de Afonso VI.
A ruptura política e as mudanças da corte portuguesa, desde o
norte em direção ao sul, foram provocando pouco a pouco a separação
das normas linguísticas galega e portuguesa. A falta de uma unidade
política e de um centro irradiador comum foi aumentando as diferenças,
que já existiam, entre a língua do norte e do sul do rio Minho.
Se, por um lado, o condado de Galiza perdeu sua força política
com o crescente aumento do poder de Castela, por outro lado, segundo
Saraiva (1999, p. 46-55), a região do Condado Portucalense
foi crescendo militarmente cada vez mais nas batalhas de reconquista
em direção ao sul, sob o comando de Dom Afonso Henriques, filho
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr. 2011
de Dom Henrique de Borgonha e Dona Teresa. Conforme Teyssier
(1997, p. 25-26), o fortalecimento militar veio seguido de uma independência
política e, ao se separar do reino de Castela, Portugal também
se separou da Galiza e a isolou dentro da península. Em 1179,
Dom Afonso Henriques, posteriormente nomeado com o título de
Afonso I, foi reconhecido como o rei de Portugal pela Igreja Católica
em Roma. Já em 1297, durante o reinado de Dom Dinis, pelo Tratado
de Alcanizes, estavam fixadas as fronteiras atuais do território
português.
Mapa 1: As fronteiras entre Portugal e Galiza1
Alguns dos documentos mais antigos conhecidos em galegoportuguês
são: A notícia de fiadores de Paio Soares Romeu, datado
1 Adaptação do mapa disponível em: http://www.sabuco.com/historia/atlas1.htm
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 10 jan./abr. 2011
de 1175; e a cantiga de Joam Soares
de Paiva, escrito no ano 1196. Também há Notícias de Torto
(1211) e o Testamento de Afonso II de Portugal (1214) como prosa
de tabelião. Segundo Brea (1983, p. 84-85), durante os séculos XIII e
XIV, o galego-português teve grande importância literária na península
Ibérica, exceto na Catalunha, onde se usava o provençal.
Nessa época se destacaram três tipos de composições: as cantigas
de amigo, as de amor e as de escárnio e maldizer; principalmente
as escritas por: Martim Codax, Mendinho, Pero Meogo e outros,
e organizadas nos: Cancioneiro da Ajuda, Cancioneiro da Vaticana
e Cancioneiro da Biblioteca Nacional de Lisboa. Merecem
atenção as Cantigas de Santa Maria, escritas em galego-português
pelo próprio rei de Castela: Afonso X, o Sábio. Nesse período a língua
galego-portuguesa viveu uma época conhecida como a fase de
Esplendor Medieval.
É então natural, por um lado, que grande parte do léxico e das
estruturas gramaticais em geral sintáticas, morfológicas e semânticas
do português e do galego tenham sido inicialmente adquiridas e
solidificadas a partir do galego-português proveniente dessa fase
medieval destacada.
Nos mapas 2 e 3, podemos observar o território de abrangência
aproximado de cada língua na península Ibéria por volta dos anos
1200 e 1300, respectivamente, confirmando o grande crescimento,
em relação às demais, da língua castelhana, dada a sua importância
política na península.
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr. 2011
Mapa 2: Abrangência das línguas na península Ibérica por volta do ano 12002
Mapa 3: Abrangência das línguas na península Ibérica por volta do ano 13003
Além disso, a grande importância dos reinos de Castela e Portugal
na península e a busca de uma união ibérica promoveram estreitas
ligações, principalmente por meio de matrimônios, entre as
duas cortes. Assim, houve uma forte influência do castelhano no português
falado na corte, que se estendeu até fins do século XVII com
a União Ibérica, principalmente quanto ao léxico e algumas estruturas
sintáticas.
De acordo com Rucquoi (1995, p. 332-333), o primeiro rei de
Portugal, D. Afonso I (1140-1185) era neto por via materna de D.
Afonso VI de Castela. Seu filho D. Sancho I (1185-1212) casou-se
2 http://www.tulane.edu/~howard/spanling/IberHist/Reconquista/Reconquista.html
3 http://www.tulane.edu/~howard/spanling/IberHist/Reconquista/Reconquista.html
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 12 jan./abr. 2011
com Dulce de Aragão. Na sucessão, D. Afonso II (1212-1223) casou-
se com Dona Urraca, filha de Afonso IX de Castela. D. Sancho
II (1223-1247) morreu em combates, seu irmão D. Afonso III (1247-
1279) casou-se com D. Beatriz de Castela, a filha de Afonso X, el
Sábio. D. Dinis (1279-1325) casou-se com Isabel de Aragão e sua filha
Constança de Portugal foi a esposa de Fernando IV de Castela.
Na sucessão, D. Afonso IV (1325-1357) casou-se com D. Beatriz de
Castela. Por outro lado, Dona Maria de Portugal, filha de Afonso IV,
casou-se com Afonso XI de Castela.
Dessa forma, os laços familiares da corte portuguesa tiveram
forte influência no falar português de prestígio, com interferências,
sobretudo, do castelhano.
Entretanto, não apenas foram as mudanças sofridas pela língua
portuguesa que a diferenciaram da galega, pois esta também sofreu
mudanças. Segundo Brea (1983, p. 83-84), o falar ao norte e ao
sul do rio Minho, o galego-português, seria praticamente o mesmo,
apesar de pequenas variações regionais.
Com o processo de reconquista, a corte do reino português,
que inicialmente estava em Braga e depois em Coimbra, foi sendo
transferida em direção ao sul conforme a expansão do território, passando
por Santarém e, com D. Afonso III, a cidade de Lisboa tornouse
a capital. Nesse processo, as populações que se utilizavam do falar
do sul do rio Minho entraram em contato com outras variantes de influência
árabe faladas mais ao sul e que, aos poucos, foram modificando
a variante do galego-português e sua cultura que se estendiam
em direção ao sul. Certamente houve influências importantes como a
do árabe, moçárabe, hebraico, provençal, francês, leonês, aragonês e,
a partir das conquistas dos séculos XV e XVI, das línguas provenientes
das colônias ultramarinas.
A partir do século XIV, a separação política e cultural do rio
Minho se intensificou e ficou marcada por duas variedades distintas:
o português e o galego. De acordo com Mariño Paz (1999, p. 105),
ainda que o português seja uma criação da região sul da antiga Galia
de tal forma que, ao mesmo tempo em que perdia o seu caráter primitivo
galaico, ia-se adaptando ao ambiente linguístico moçárabe
das terras centrais e meridionais do que é hoje Portugal, e sua norma
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr. 2011
padrão estabeleceu-se nas cidades de Coimbra e, principalmente,
Lisboa, as quais foram sede da corte e da elite portuguesa.
Enquanto o português veio a ser a expressão de um povo em
expansão política, territorial, econômica e cultural, o galego, em contrapartida,
se transformou em expressão coloquial de um povo reprimido
diante do domínio castelhano, sofrendo influências deste e
de outras línguas trazidas pela peregrinação a Santiago de Compostela,
tais como o catalão, provençal e francês, dentre outras no seu desenvolvimento.
Conforme Saraiva (1999, p. 52-55), a toponímia conserva um
vestígio da situação histórica vivida pela região nos seus nomes: castro,
vila e paço ao norte e ao sul do Douro. O topônimo castro é proveniente
dos castelos e fortificações celtas; vila provém da antiga colonização
romana; o paço, proveniente etimologicamente de palatium,
reflete já a vila com a presença do novo senhor, que vive no
paço. A presença dos senhores era muito mais rara ao sul que ao norte,
confirmado pela localização dos castros e das beetrias. A beetria
é um tipo de organização intermediária entre o concelho e o senhorio
feudal. Os moradores da aldeia dependiam de um nobre, mas tinham
o direito de elegê-lo. Os castros e beetrias, numerosos na Galiza, já
são bem mais raros na região do Minho e, ao sul do Douro, os castros
já não existem e as beetrias são raríssimas. Assim, em direção
ao sul, o número de comunidades de moradores em que o senhorio
era exercido coletivamente pelos próprios vizinhos é crescente.
Esta coexistência de uma zona predominantemente senhorial,
onde as populações viviam em situações de dependência pessoal e a
regra era a servidão nos seus vários graus, e as zonas onde predominavam
os concelhos populares e a situação mais frequente era a da
liberdade, não pode deixar de ser considerada como um fator social
da independência portuguesa. Por outro lado, a organização municipal
proporcionou ao rei de Portugal a organização de forças militares,
que tornaram possível o seu grande fortalecimento como nobre e
sua hegemonia no governo.
Nesse contexto, o português foi estendendo seu domínio em
direção ao sul, onde recebeu mais influências do árabe, e em direção
a suas colônias ultramarinas, onde recebeu influências de línguas nativas,
e na própria corte de Lisboa recebeu influências principalmenRevista
Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 14 jan./abr. 2011
te do castelhano ali falado, também do francês, provençal e outras.
Em 1536, no século XVI, tem-se a publicação da primeira gramática
do português por Fernão de Oliveira. Já a língua galega, depois da
sua fase de Esplendor Medieval e de desenvolvimento como língua
culta, passou por uma etapa de forte decadência, conhecida como
Séculos Escuros, desde finais da Idade Média até o começo do século
XIX, e só teve sua primeira gramática publicada no final do século
XIX.
Sabe-se que a separação política consumada na primeira metade
do século XII não produziu diferenças linguísticas imediatas entre
os falares usados ao norte e ao sul do rio Minho, mas pouco a
pouco foram sendo criadas as condições para que cada região pudesse
desenvolver e cultivar as suas diferenças, mesmo no campo do
código culto e escrito. Portanto, segundo Mariño Paz (1999: 107),
quando na segunda metade do século XIII começou-se a escrever regularmente
na língua romance galego-português, entre os textos produzidos
ao norte e ao sul do rio Minho, existiam já certas diferenças
linguísticas que, em alguns casos, eram simplesmente a manifestação
de diferenças dialetais e, em outros casos, podem ter sido produzidas
pelas distintas tradições escriturárias dos escrivães de cada localidade.
Aspecto este que também é frisado por Maia (1986, p. 940), após
sua análise em manuscritos do período, notado pelas diferentes tradições
gráficas. Entretanto, fato é que estas diferenças se aguçaram e
se consolidaram nos séculos XIV e XV, a partir dos quais já existem
duas línguas diferentes que se desenvolveram com dois rumos totalmente
distintos.
De acordo com Mariño Paz (1999: 129), no início existiu uma
unidade linguística galaica e, ao final, os acontecimentos históricos
conduziram a que se produzisse um reagrupamento independente dos
falares portugueses e galegos, desembocando na constituição de duas
línguas próximas, porém distintas, devido ao distanciamento entre
elas. Dessa maneira, a independência e o baixo nível de comunicação
política e cultural entre as duas regiões, mesmo com as peregrinações
à cidade de Santiago de Compostela, acabaram formando dois
idiomas diferentes a partir do que primitivamente não eram mais que
diferenças dialetais entre a variedade do norte e a variedade do sul,
assim como também há diferenças dialetais dentro das atuais línguas
galega e portuguesa. Neste caso, a fronteira política transformou-se
Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr. 2011
definitivamente em fronteira linguística.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AREÁN-GARCÍA, Nilsa. Breve histórico da península Ibérica. Revista
Philologus, Ano 15, N° 45. Rio de Janeiro: CiFEFiL,
set./dez.2009, p. 25-48.
BREA, Mercedes. Galegisch: Externe Sprachgeschichte. In: HOLTUS,
Günter et alli. Lexikon der Romanistischen Linguistik. Tübingen:
Max-Niemeyer, 1983, v. VI, 2.
LORENZO, Ramón. Breve historia da lingua galega. In: Atas do 1º
Congresso Internacional da ABRALIN. Salvador: ABRALIN, 1994.
MAIA, Clarinda de Azevedo. História do galego português. Coimbra:
Fundação Calouste Gulbenkian, 1986.
MARIÑO PAZ, Ramón. Historia da lingua galega. Santiago de
Compostela: Sotelo Blanco, 1998.
MONTEAGUDO, Xosé Henrique. Historia social da lingua galega.
Vigo: Galaxia, 1999.
RUCQUOI, Adeline. História medieval da península Ibérica. Lisboa:
Estampa, 1995.
SARAIVA, José H. História concisa de Portugal. 20. ed. Sintra: Europa-
América, 1999.
SILVA NETO, Serafim da. História da língua portuguesa. 3. ed. Rio
de Janeiro: Presença, 1977.
TEYSSIER, Paul. História da língua portuguesa. São Paulo: Martins
Fontes, 1987.

Revista Philologus, Ano 17, N° 49. Rio de Janeiro: CiFEFiL, jan./abr. 2011

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s