Auto da Compadecida (O TESTAMENTO DO CACHORRO)

VERSÃO COMPLETA DO ATO PRIMEIRO

Primeiro ato
Todos os atores reunidos de frente a uma igreja no meio do nada. À esquerda um vasto campo empoeirado e cactos, do outro lado, a casa do padeiro, umas casinhas minguadas e umas pessoas se deliciando com a cambada de atores todos sorridentes.
No centro da roda, um palhaço surge com um instrumento anunciando o início da peça, os atores um a um vão saindo após apresentarem-se ao público, tudo isso ao som de uma música nordestina.
No pátio da igreja surge João Grilo: E ele vem mesmo? Estou desconfiado, Chicó. Você é tão sem confiança!
Chicó
Eu, sem confiança? Juro como ele vem. A dificuldade não é ele vir, é o padre benzer. O bispo está aí e Padre, João não vai benzer o cachorro.
João Grilo
Não vai benzer? Por quê? Que é que um cachorro tem demais?
Chicó
Não vejo nada demais, é que esse povo é cheio de coisas. Eu mesmo já tive um cavalo bento.
João Grilo
Que é isso Chicó? (passa o dedo na garganta). Já estou ficando por aqui com suas histórias. É sempre uma coisa toda esquisita. Quando se pede uma explicação, vem sempre com “não sei, só sei que foi assim”.
Chicó
Mas eu tive mesmo um cavalo, meu filho, o que é que vou fazer? Vou mentir, dizer que não tive?
João Grilo
É por isso que o povo diz que você é sem confiança, Chico.
Chicó
Eu, sem confiança? Pergunte a Antônio Martinho, ele está por aí, e é a prova de que eu falo a verdade.
João Grilo
Antônio Martinho? Faz três anos que ele morreu.
Chicó
Mas era vivo quando eu tive o bicho.
João Grilo
Quando você teve o bicho, Chicó? E foi você quem pariu?
Chicó
Eu, não. Mas do jeito que a coisa vai, não admiro mais de nada. No mês passado uma mulé pariu um, na serra de Araripe, para os lados do Ceará.
João Grilo
Isso é coisa da seca. Acaba nisso, essa fome. Mas seu cavalo, como foi?
Chicó
Foi uma velha que me vendeu mais barato, porque ia se mudar. Era um cavalo muito bom, era bento, parecia ter vindo dos deuses, João…
João Grilo rindo-se:
Dos deuses? Não foi uma mulé que te deu?
Chicó
Foi. Corri atrás de uma garrota com o dito cavalo, das seis da manhã até às seis da tarde sem parar nenhum minuto. Após toda a investida, derrubamos a garrota. Não conhecia o lugar onde a gente tava. Tomei uma vereda que havia assim e sai tangendo a boi…
João Grilo
O boi? Não era uma garrota?
Chicó
Uma garrota e um boi.
João Grilo
E você corria atrás dos dois de uma vez?
Chicó
(irritado) Corria, é proibido?
João Grilo
Não, mas eu me admiro é eles correrem tanto tempo juntos, sem se apartarem. Como foi isso?
Chicó
Nãoa sei, só sei que foi assim. Tangi os bois e de repente avistei uma cidade. Comecei a correr em Taperoá, na Paraíba até Propriá em Sergipe.
João Grilo
Sergipe, Chicó?
Chicó
Sergipe, João. Eu tinha corrido até lá no meu cavalo. Só sendo bento mesmo!
João Grilo
Mas, Chicó, e o Rio São Francisco?
Só podia está seco nesse tempo, pois eu não me alembro quando passei. É por essas e outras, que não admiro mais de nada.
João Grilo
Quer dizer que tu acha que o homem vem benzer a cachorra?
Chicó
Só pode vir. É o único jeito. Temos que apelar para o padre, hora de se chamar o padre né na hora da morte?
Padre
Que que tá acontecendo aqui?
Chicó
Mandaram avisar que é para o senhor não sair, porque vem uma pessoa trazer um cachorro para o senhor benzer.
Padre
Para eu benzer?
Chicó
Sim.
Padre
Um cachorro?
Chicó
Sim
Padre
Que maluquice, que besteira!
João Grilo
Cansei de dizer a ele que o senhor não benzia. Benze porque benze, vim com ele.
Padre
Não benzo de jeito nenhum.
Chicó
Mas padre, não vejo nada de mal em se benzer o bicho.
João Grilo
No dia em que chegou o motor novo de Antônio Morais o senhor não benzeu?
Padre
Motor é diferente, é uma coisa que todo mundo benze cachorro é que eu nunca ouvi falar.
Chicó
Eu acho cachorro uma coisa muito melhor do que motor.
Padre
É, mas quem vai ficar engraçado sou eu, benzendo o cachorro.
João Grilo
É, Chicó, o padre tem razão. Quem vai ficar engraçado é ele e uma coisa é benzer motor de Major Antônio Morais e outra é benzer cachorro de Major Antônio Morais.
Padre
Como?
João Grilo
Eu disse que uma coisa era motor e outra era cachorro de Major Antônio Morais.
Padre
E o dono do cachorro é o Major Antônio Morais?
João Grilo
É, eu não queria vir, com medo de que o senhor se zangasse, mas o Major é rico e poderoso e eu trabalho na mina dele. Com medo de perder meu emprego, fui forçado a obedecer;mas disse a Chicó: padre vai sezangar.
Padre
Zangar que nada, João! Quem é um ministro de Deus para ter direito de se zangar? Falei por falar, mas também vocês não tinham dito de quem era o cachorro!
João Grilo
Quer dizer que benze, não é?
Padre ao Chicó
E você, o que é que acha?
Chicó
Eu não acho nada demais!
Padre
Nem eu, não vejo mal nenhum em se abençoar as criaturinhas de Deus! João Grilo
Então fica tudo na paz de Deus, com cachorro benzido e todo mundo satisfeito.
Padre
Diga ao major que venha. Eu estou esperando! (padre entra na igreja)
Chicó
Que invenção foi essa dizer que o cachorro é de Major Antônio Morais? João Grilo
Era o único jeito do padre prometer que benzia. Tem medo da riqueza do Major, que se pela. Não viu a diferença? Antes era que besteira! Que maluquice? Agora, não vejo mal nenhum em se benzer as criaturas de Deus!
Chicó
Isso não vai dar certo! E havia a necessidade de inventar que era empregado de Major Antônio Morais?
João Grilo
Meu filho, empregado de Major e empregado de um amigo de Major é quase a mesma coisa. O padeiro vive dizendo que é amigo do homem.
Chicó
Mas tu não tinha nada de butar Antônio Morais na história, João!
João Grilo
E você, deixe de conversa, nunca vi homem tão mole como tu! O Padeiro mandou tu arrumar um padre para benzer a cachorrinha e eu arrumei, que que tu quer mais?
Chicó
E agora tu vai ficar jogando na cara os favores? E os favores que já te fiz?
João Grilo
Só fiz isso porque quero me vingar dos dois.
Chicó
Dos dois? Quem?
João Grilo
Fiquei doente em cima de uma cama, nem água me deram para beber. Sempre trabalhei com gosto sentido o cheirinho do pão no forno, comendo só as migalhas… Além disso, tu sabe muito bem que a mulé do padeiro engana ele.
Chicó
João, deixa disso, se chegar aos ouvidos do padre, isso se espalha muito
rápido!
João Grilo
Deixe de besteira Chicó, todo munfo já sabe que a mulher do padeiro engana o marido!
Chicó
João danado, ou tu fala baixo, ou juro que te esgano!
João Grilo
Mas todo mundo não sabe mesmo?
Chicó
Sabe, mas não sabe que foi comigo, entendeu?
João Grilo
E ela não queria nada contigo, Chicó. O ponto fraco dela é dinheiro, e tu sabe disso! Ficou rica com a padaria, engana o pobre do padeiro… Vou me vingar dos dois, ela por ser safada e ele por ser miserável.
Chicó
Que raiva é essa, João?
João Grilo
Óh homem sem vergonha mesmo, heim Chicó! Ainda pergunta? Ela explorou a gente até a última gota de sangue, dava do bom e do melhor para a cachorra e agente…
Chicó
João, deixe de ser vingativo, tu só se desgraça todo, homem! Um dia tu vai se meter em enrascada.
João Grilo
E u tenho medo disso? Sou louco por uma embrulhada!
Chicó
Permita, então eu dá os meus parabéns, porque tu acaba de se meter numa danada.
João Grilo
Eu, que há?
Chicó
O Major Antônio Morais vem subindo a ladeira. Certamente vem procurar o padre.
João Grilo
Ave Maria! Que é que se faz Chicó?
Chicó
Não sei, não tenho nada a ver com isso! Tu que inventou a história e que gosta de encrenca, resolva!
João Grilo
Cale a boca, besta! Não diga uma palavra deixe tudo por minha conta! (João ver Antônio Morais se aproximando, sai a frente dele)
Ora, viva, seu Major Antônio Morais, como vai vossa Senhoria? Veio procurar o padre?
(Antônio Morais, silencioso e terrível, encaminha-se para a igreja, mas João toma-lhe a frente).
Se vossa senhoria quer, eu vou chamá-lo! (Antônio Morais afasta João com a bengala), João aflito, toma-lhe novamente a frente).
É que eu queria avisar a vossa senhoria não ficar espantado, o padre tá meio doido!
Antônio Morais
Meio doido, o padre?
João Grilo
Sim, o padre! Está doido que não respeita mais ninguém e com mania de benzer tudo. Vim dar um recado a ele mandado por meu patrão, e ele me recebeu muito mal, apesar de meu patrão ser quem é.
Antônio Morais
E quem é seu patrão?
João Grilo
O Padeiro! Pois ele chamou o patrão de cachorro e disse que ia benzê-lo.
Antônio Morais
Que loucura é essa?
João Grilo
Não sei, é mania dele, agora. Benze tudo e chama a gente de cachorro.
Antônio Morais
Isso era por que era com seu patrão, comigo é diferente.
João Grilo
Vossa senhoria me desculpe, mas eu acho que não.
Antônio Morais
Você acha que não?
João Grilo
Penso, sim. E digo isso porque ouvir o padre dizer: ‘ Aquele cachorro, só porque é amigo de Antônio Morais, pensa que é alguma coisa?
Antônio Morais
Que história é essa, você tem certeza?
João Grilo
Certeza plena. Está doidinho, o pobre do padre!
Antônio Morais
Pois vamos esclarecer essa história! Porque alguém vai pagar por essa brincadeira! E mais, só vim pó causa de meu filho que está indo se tratar em Recife e não vai sem a bênção do padre. Se você está de brincadeira para meu lado vai se arrepender! Chicó vai procurando fugir, João Grilo o puxa pelo pescoço.
João Grilo
Fica comigo! Vim encomendar a bênção da cachorra por sua causa e tu tem de ficar!
Chicó
É, mas acontece que Major Antônio Morais pode ter alguma coisa de cavalo, de bento é que não tem nada!
João Grilo
Deixe de ser frouxo e fique aqui
Antônio Morais dentro da igreja, se aproxima do padre
Ah padre, você está aí, procurei-o por tida a parte.
Padre
Ora, quanta honra, uma pessoa como Antônio Morais na igreja! Há quanto tempo esses pés não cruzam os umbrais da casa de Deus!
Antônio Morais
Seria melhor dizer logo que faz muito tempo que não venho à missa!
Padre
Eu sei de seu tempo, de sua saúde, de suas ocupações!
Antônio Morais
Ocupações? O senhor sabe muito bem que não trabalho e que minha saúde está perfeita.
Padre amarelo
Ah, é?
É padre, não sou dado ao trabalho, gosto de desfrutar o que adquiri, a velha ociosidade senhorial.
Padre
É o que vivo dizendo, do jeito que as coisas vão, é o fim do mundo! Mas que coisa trouxe-o aqui? Já sei, não diga, o bichinho está doente, não é?
Antônio Morais
E já sabia?
Padre
Já, aqui tudo se espalha num instante! Já está fedendo?
Antônio Morais
Fedendo, quem?
Padre
O bichinho!
Antônio Morais
Não. O que o senhor quer dizer?
Padre
Nada. É só um modo de falar.
Antônio Morais
Pois o senhor anda com um modo de falar muito estranho!
Padre
Peço que desculpe um pobre padre sem muita instrução. Qual é a doença? Rabugem?
Antônio Morais
Rabugem?
Padre
Sim, já vi um morrer em poucos dias.Começou pelo rabo e espalhou –se pelo corpo todo.
Antônio Morais
Pelo rabo?
Padre
Desculpe, desculpe, eu devia ter dito pela cauda. Deve ter respeito aos enfermos, mesmo que sejam os de mais baixa qualidade.
Antônio Morais
Baixa qualidade? Padre João, veja com quem está falando. A Igreja é uma coisa respeitável, como garantia da sociedade, mas tudo tem um limite!
Padre
Mas o que foi que eu disse?
Antônio Morais
Baixa qualidade, meu nome todo é Antônio Noronha de Britto Morais e esse Noronha de Britto veio dos condes dos Arcos, ouviu? Gente que veio nas caravelas, ouviu?
Padre
Ah bem e na certa os antepassados vieram nas caravelas, não é isso?
Antônio Morais
Claro! Se meus antepassados vieram, é claro que os dele também vieram. Que o senhor quer insinuar? Quer dizer que a mãe dele procedeu do mal?
Padre
Mas, uma cachorra!
Antônio Morais
O quê?
Padre
Uma cachorra!
Antônio Morais
Repita!
Padre
Não vejo nada demais em repetir, não é uma cachorra, mesmo?
Antônio Morais
Padre, não o mato agora mesmo porque o senhor é um padre e está louco, mas vou me queixar ao bispo – olha para João Grilo – Você tinha razão, João, Apareça nos Angicos que você não se arrependerá! (sai)
Padre aflitíssimo
Mas me digam, pelo amor de Deus, o que foi que eu disse demais?
João Grilo
Nada, nada, padre! Esse homem só pode estar louco com essa mania de ser grande. Até cachorro ele quer dar carta de nobreza.
Padre
Faço tudo para agradá-lo e vai se queixar ao bispo! Ah se fosse no tempo do outro, aquele sim era um santo, aposto que vai me suspender!
João Grilo
Que nada, padre, antes disso eu vou nos Angicos e arranjo tudo.
Padre
Arranja mesmo, João? Como?
João Grilo
Deixe comigo. Antônio Morais começou a ser meu amigo de repente. Não viu como ele me convidou para ir aos Angicos? Antônio Morais prá cá, João Grilo prá lá, completamente perturbado.
Padre
Pois arranje as coisas, João, que você não se arrepende.
João Grilo
Quero só um favorzinho do senhor padre.
Padre
Eu já sabia, diga, João, que deseja?
João Grilo
O cachorro do meu patrão está muito mal e eu queria que o senhor benzesse o bichinho.
Padre
De novo? Mas é possível?
João Grilo
É mais do que possível! O senhor não ia benzer a cachorrinha do Major Antônio Morais?
Padre
E de quem é que você está falando?
João Grilo
De meu patrão.
Padre
E seu patrão não é Antônio Morais?
João Grilo
Não.
Padre
Mas você ainda disse, João!
João Grilo
Eu, quem disse isso foi Chicó. (Chicó dá um grande salto e surpresa)
Padre
E quem é seu patrão?
João Grilo
O Padeiro
Padre
E o cachorro dele também está doente?
João Grilo
Está
Padre
Oh terra prá ter cachorro doente é essa!
João Grilo
E a mania agora é benzer, benzer tudo quanto é de bicho!
(OUVEM-SE LÁ FORA GRANDES GRITOS DE MULHER)
João Grilo
É a mulher com o cachorro. Como é o senhor benze ou não benze?
Padre
Acho melhor não benzer! O bispo está aí e eu só benzo se ele der licença. (A MULHER APARECE À ESQUERDA)
Padre
Pare, pare, entre a senhora e o senhor, padeiro, o cachorro fica lá fora.
Mulher
Aí, padre, meu cachorro está morrendo! É o filho que conheço nesse mundo! Não deixe o cachorrinho morrer, padre!
Padre comovido (João Grilo dá um lenço ao padre que assoa ruidosamente)
Pobre mulher, pobre cachorro.
Padeiro
O senhor benze o cachorro, padre João?
João Grilo
Não pode ser. O bispo está aí e o padre só benzia se fosse o cachorro do Major Antônio Morais, gente mais importante.
Padeiro
Que história é essa? Por que o do Major Antônio Morais pode e o meu não?
Padre
Que é isso? Que é isso?
Padeiro
Eu é que pergunto: que é isso? Eu sou presidente da irmandade das almas, e isso é alguma coisa!
João Grilo
É, padre, o homem aí é coisa muita: presidente da Irmandade das Almas! Pra mim isso é um caso claro de cachorro bento. Benza logo o cachorro e tudo fica em paz.
Padre
Não benzo, não benzo e acabou-se. Assim de repente, não benzo e pronto!
Mulher
Quer dizer, quando era cachorro de Major Antônio Morais, já estava tudo pensado, pra benzer o meu é essa complicação! Olhe que meu marido é presidente e sócio benfeitor da Irmandade das Almas! Vou pedir demissão dele!
Padeiro
Vai pedir minha demissão?
Mulher
De hoje em diante não me sai lá de casa nem um pão pra Irmandade!
Padeiro
Nenhum pão!
Mulher
Olhe que os pães que vêm para aqui são de graça!
Padeiro
Sai de graça!
Mulher
E olhe que as obras da igreja é ele quem está custeando!
Padeiro
Sou eu quem estou custeando!
Padre
Que é isso, que é isso!
Mulher
Que é isso? É a voz da verdade, padre João! O senhor agora vai ver quem é a mulher do padeiro!
João Grilo
Ai, ai, ai e a senhora, o que é do padeiro?
Mulher
A vaca…
Chicó
A vaca?!
Mulher
A vaca que eu mandei pra cá, pra fornecer leite ao vigário, tem que ser devolvida hoje mesmo!
Padeiro
Hoje mesmo!
Padre
Mas até a vaca? Sacristão, sacristão!
João Grilo
A vaca também é demais! (arremedando o padre) Sacristão, sacristão!
Sacristão aparece arrumando seus óculos com as duas mãos. Anda olhando o pátio da igreja.
João Grilo
Sacristão, a vaca da mulher do padeiro tem que sair!
Sacristão
Um momento. Um momento. Em primeiro lugar, o cuidado da casa de Deus e de seus arredores.
Mulher e o padeiro juntos
É o padre…
Sacristão
(afastando os dois com as mãos, olhando à direita e à esquerda)
Que é aquilo?
Todos olham em direção do olhar do sacristão
Sacristão
É um cachorro morto no pátio da casa de Deus?
Padeiro
Morto?
Mulher mais alto
Morto?
Sacristão
Morto, sim. Vou reclamar à prefeitura!
Padeiro correndo em direção ao animal
É verdade, morreu!
Mulher
Ai meu Deus, meu cachorrinho morreu!
Todos correm em direção ao cachorro, menos João Grilo e Chicó que correm ao oposto.
Chicó
É verdade, o cachorro morreu. Na verdade tudo o que é vivo morre!
João Grilo
Tudo que é vivo, morre! Esta é uma coisa que eu não sabia! Bonito Chicó, onde foi que tu ouviu isso? De sua cabeça é que não saiu, isso eu sei!
Chicó
Saiu mesmo não, João. Isso eu ouvi um padre dizer uma vez. Foi no dia em que meu pirarucu morreu.
João Grilo
Seu pirarucu?
Chicó
Meu, é um modo de dizer, porque, pra falar a verdade, acho que eu é que era dele. Nunca lhe contei isso não?
João Grilo
Não, já ouvi falar de homem que tem peixe, mas de peixe que tem homem, é a primeira vez.
Chicó
Foi quando eu estive na Amazônia. Eu tinha amarrado a corda do arpão em redor do corpo, de modo que estava com os braços sem movimento. Quando ferrei o bicho, ele deu um puxavante maior e eu cair no rio.
João Grilo
O bicho pescou tu?
Chicó
Exatamente, João, o bicho me pescou. O pirarucu me arrastou rio acima três dias e três noites.
João Grilo Três dias e três noites, e fome tu não sentiu?
Chicó
Fome não, mas era uma vontade de fumar danada! Na entrada da vila ele morreu, no outro dia foi o enterro. Nunca me esqueci o que o padre disse na beira da cova.
João Grilo
E como avistaram tu da vila?
Chicó
Eu levantei um braço e acenei, acenei até que uma lavadeira me avistou e vieram me soltar.
João Grilo
E tu não estavas com os braços amarrados, Chicó?
Chicó
João, na hora do aperto, dá-se um jeito em tudo!
João Grilo
Mas que jeito tu desse?
Não sei, só sei que foi assim…Mas deixe de agonia, que o povo vem aí.
Mulher entra chorando
Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai,ai, ai.
João Grilo vai atrás repetindo
Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai,
Chicó obediente
Ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai, ai.
Sacristão entrando com o padre e o Padeiro
Que é isso, que é isso, esse barulho na porta da casa de Deus?
Padre
Todos devem se resignar!
Mulher
Se o senhor tivesse benzido o bichinho, esta hora ele ainda estaria vivo!
Padre
Qual, qual, quem sou eu?
Mulher
Mas tem uma coisa, agora o senhor enterra o cachorro!´
Padre
Enterro o cachorro?
Mulher
Enterra e tem que ser em latim. De outro jeito não serve, não é?
Padeiro
É, em latim não serve!
Mulher
Em latim é que serve!
Padeiro
É, em latim é que serve!
Padre
Vocês estão doidos! Não enterro de jeito nenhum.
Mulher
Está cortado o rendimento da Irmandade!
Padeiro
Está cortado o rendimento!
Mulher
Meu marido considera-se demitido da presidência.
Padeiro
Considero demitido da presidência.
Padre
Não enterro!
Mulher
A vaquinha vai sair daqui imediatamente!
Padre
Oh mulher sem coração!
Mulher
Meu bichinho não pode ser comido pelos urubus, o senhor enterra!
Padre
Ai meus dias de seminário!
Mulher
Pão agora para a casa do vigário só vem dormido e com o dinheiro na frente!
Padre
Oh mulher cruel!
Mulher
Decida-se, padre!
Padre
Não me decido coisa nenhuma! Vou me trancar na igreja e pronto!
João Grilo se aproxima
Se me dessem carta branca, eu enterraria!
Padeiro
Tem a carta.
João Grilo
Posso gastar o que eu quiser?
Padeiro
Pode!
Mulher
O que é que vocês estão combinando aí?
João Grilo
Essa confusão vai ficar difícil cumprir o testamento do cachorro, da parte do dinheiro que ele deixou para o padre e para o Sacristão.
Sacristão
Que é isso, cachorro com testamento?
João Grilo
Esse era um cachorro inteligente. Antes de morrer olhava para a torre da igreja toda vez que o sino batia, antes de morrer botava os olhos compridos, latindo na maior tristeza, até que meu patrão, com minha patroa é claro, que ele queria ser abençoado.
Sacristão
Que animal inteligente, que sentimento nobre! (Calculista) O testamento, onde está?
João Grilo
Foi passado em cartório, é coisa garantida. Agora, sem enterro…E meus patrões ainda correm o risco de serem perseguidos pela alma do bicho.
Chicó
Pela alma!!!
João Grilo
Alma, não digo, porque cachorro não tem alma, mas pela assombração!
Mulher
Ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,
Chicó e João Grilo
Ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,ai,
Sacristão
Deixem comigo!
Padeiro
Assombração de cachorro?
João Grilo
Fica queto, homem! O cachorro vai ser enterrado e é em latim.
Chicó
Eu já encontrei uma assombração de cachorro.
Padeiro
Quando? Onde?
Chicó
Na passagem do riacho de Cosme Pinto.
Padeiro
Já ouvi falar de assombração naquele lugar, mas não de cachorro.
Chicó
Na atravessia do riacho deixei cair uma prata de dez tostões, meu cachorro que me seguia cochichava com outro no meio da água, nisso desceu e me trouxe a moeda de vorta.
Padeiro
Que história esquisita, Chicó!
Chicó
Esquisita ou não, foi assim.
Sacristão
Fica tudo por minha conta, não já disse?
Padre
Por sua conta, o vigário sou eu!
Sacristão
O vigário é o senhor, mas quem entende de testamento sou eu!
Padre
Hein? O testamento?
Sacristão
Sim, o testamento.
Padre
Mas que testamento é esse?
Sacristão
O testamento do cachorro!
Padre
E ele deixou testamento?
Padeiro
Só para o vigário deixou dez contos.
Padre
Que cachorro inteligente!
João Grilo
É a maior das injustiças deixar o pobre Sr comido pelos urubus!
Padre
Comido, ele? De jeito nenhum!
Sacristão
Não vejo mal nenhum, padre enterrar o pobre animal em latim, esse gesto dele tão nobre…
Padre
Mas quem me garante que o bispo não veja mal nenhum também?
Sacristão
O bispo?
João Grilo
Deixa que eu garanto falar com o bispo.
Padre
Você garante?
João Grilo
Garanto! Se fosse o outro eu tinha receio, era santo dava a ter medo não ter reverência, mas esse aí…
Mulher
Mas eu quero em latim, só em latim serve.
Sacristão
Em latim!
Padeiro
E o acompanhamento?
João Grilo
Vai eu e Chicó e o senhor com sua esposa, acho que já dá um bom acompanhamento…
Padeiro
Você acha que tá bom assim?
Mulher
Acho.
Padeiro
Então eu também acho.
Sacristão
Se é assim, então vamos ao enterro!
Sacristão puxando o enterro
Xaréu. Absolve, domine. Animas omnium fidelium defuctorum ab omni vinculi delictorum.
Todos
Amém.
Saem todos em procissão atrás do sacristão.

AUTO DA COMPADECIDA

(Ato 1) João Grilo e Chicó perambulam pelas ruas com uma placa anunciando o filme da paixão de Cristo.
(Ato 2) João Grilo e Chicó entram na casa do Padeiro.
João Grilo: Ô de casa!
Padeiro: Ô de fora!
João Grilo e Chicó entram.
João Grilo: Sou eu, eu mermo – to perguntano se precisa de ajudante?
Padeiro: Quer ajudar é? Ajuda e dinheiro é coisa que não se rejeita.
João Grilo se dirige a Chicó: Eu num disse que tu tinha cara de besta…
Dorinha se dirige a João Grilo: Tu tá parado é?
Chicó: Parado de comer e aperriado.
João Grilo: Tem dois prá ajudar.
DORINHA: O emprego é seu.
Padeiro: Tudo bem o emprego é seu.
João Grilo: E quando é o salário?
Dorinha: O salário é pouco.
Padeiro: Em compensação o serviço é muito.
João Grilo: se o serviço é m uito é necessário dois ajudantes.
Padeiro: (PASSANDO A MÃO NO QUEIXO) – Só se for pelo preço de um…
João Grilo: E quanto é o preço de um?
Padeiro se dirige a Dorinha: Quanto é?
Dorinha: Cinco tostões.
Padeiro: Cinco tostões.
João Grilo: Cinco tostões tá bom pra tu Chicó?
Chicó com uma cesta de pão – pra mim tá…
João Grilo: Então vamos fazer as contas… Chicó trabalha por dois, ganha por dois, ganha cinco tostões por um.
Chicó: E eu vou dar conta, João?
João Grilo: Claro que não, NE Chicó, mas da metade tu dá não é?
Chicó: É… Da metade vá lá…
João Grilo: Tá arranjado, Chicó trabalha por dois, ganha por dois, pelo preço de um e da conta da metade do serviço. Eu trabalho por mais dois, ganho por um e dou conta da outra metade.
Padeiro: Eu falei dois pelo preço de um.
João Grilo: Mas o Senhor tá contratando quatro, pelo preço de dois que dá no mesmo, patrão…
Padeiro ( olhando para Dorinha) – E é?
Dorinha: É… tu num sabe fazer conta?
Padeiro: Então tá fechado.
(Ato 2)

Dorinha sentada com a cachorrinha no colo: Vai minha bichinha, come pra ficar forte…
João Grilo e Chicó entram na cozinha.
Chicó: Ochente a senhora fala com cachorro é…
Dorinha: Falo sim. Por quê? Quer falar comigo?
João Grilo: E ela lhe ouve?
Dorinha: Escutar, me escuta, mas não me dá ouvido (DORINHA SE LEVANTA) – Derde hoje a bichinha num cumeu nada… Só um cuscuz com leite…(DORINHA segue andando pela casa com a cachorrinha no colo e João Grilo e Chicó atrás dela.
Dorinha: De noite apenas macaxeira…
Chicó: Macacheira…(repetindo baixo)
Dorinha: De madrugada, um guisado na manteiga….
João Grilo: Guisado na manteiga (repetindo).

Ato 3
Dorinha se retira deixando apenas João Grilo e Chicó acompanhando a cachorra.
Chicó troca os pratos e come a comida da cachorra. A cachorra passa mal.
Chicó corre até João Grilo: João, a cachorra tá tendo uma bilola! Os dois correm e pega a cachorra. Sai de cena.

Ato 4
Dorinha deitada numa cama.
João bate na porta: Dona Dorinha, aconteceu algo terrível com um ente querido seu…
Dorinha: Pois não quero nem saber o que aconteceu com seu Eudorico…
João Grilo: É com sua cachorra!
Dorinha furiosa: Ave Maria! O que aconteceu com bolinha?! Corre gritando até a cachorrinha. Pega a cachorrinha – acode, minha cachorrinha tá doente! Valei meu são….Vira-se para João Grilo e Chicó –Qual é o santo que protege os cachorros?
João Grilo: Acho que é são Francisco, era o santo que falava com os bichos…
Dorinha: Aí valei meu são…. Francisco de Assis ou de Pádua?
João Grilo: Aí já não sei… só se perguntar para o padre…
Dorinha empurra João Grilo e Chicó para que vão buscar o padre. Aparece o padeiro em cena.

Ato 5

O padre limpando a igreja. Entra João Grilo e Chicó.
Padre: Eu benzer a cachorra? Deixem de besteira! Não benzo de jeito nenhum!
João Grilo: Sempre disse a Chicó que o Senhor não benzia, benze não benze ,,,,
Padre: Não benzo!
João Grilo: É motor do major Antônio Morais o senhor benze…
Padre: Motor todo mundo benze, agora cachorra…Nunca ouvi dizer que alguém já benzeu cachorra… Não benzo!
João Grilo e Chicó vão saindo da igreja.
João Grilo: É CHicó… motor de Antônio Moraes se benze… cachorra de Antônio Moraes não se benze.
Padre: Como é que é?
João Grilo: É que a cachorra também é de Antônio Moraes…. Eu bem que disse a Chicó que o padre ia ficar bravo!
Padre: Bravo nada, João!
João Grilo: Então o Senhor benze não é?
Padre: Diga a Antônio Mores que traga a cachorra

Chicó e João Grilo saem da igreja.

Ato 6
Major Antônio Moraes chega na padaria.

CHICÓ: O major Antônio Morais vem subindo ladeira.
Certamente vem procurar o padre.

JOÃO GRILO:Ave Maria! Que é que se faz, Chicó?
CHICÓ: Não sei, não tenho nada a ver com isso. Você, que inventou a história e que gosta de embrulhada, que resolva.

JOÃO GRILO:Cale a boca, besta. Não diga uma palavra e deixe tudo por minha conta. (Vendo Antônio Morais no limiar, esquerda.) Ora viva, seu major Antônio Morais, como vai Vossa Senhoria? Veio rocurar o padre? (Antônio Morais, silencioso e terrível, encaminha – se para a igreja mas João toma-lhe a frente.) Se Vossa Senhoria quer, eu vou chamá-lo.

(Antônio Morais afasta João do caminho com a
bengala, encaminhando-se de novo para a igreja.
João, aflito, dá a volta, tomando-lhe a frente e fala,como último recurso.) É que eu queria avisar para
Vossa Senhoria não ficar espantado: o padre está meio doido.

ANTÓNIO MORAIS, (parando) Está doido? O padre?

JOÃO GRILO, (animando-se) Sim, o padre. Está dum jeito que não respeita mais ninguém e com mania de benzer tudo. Vim dar um recado a ele, mandado por meu patrão, e ele me recebeu muito mal, apesar de meu Patrão ser quem é.

ANTÓNIO MORAIS
E quem é seu patrão?

JOÃO GRILO
O padeiro. Pois ele chamou o patrão de cachorro e disse que apesar disso ia benzê-lo

AntÔNIO MORAIS
Que loucura é essa?

JOÃO GRILO
Não sei, é a mania dele agora. Benze tudo e chama a gente de cachorro.

ANTÓNIO MORAIS
Isso foi porque era com seu patrão. Comigo é diferente.

JOÃ GRILO
Vossa Senhoria me desculpe, mas eu penso que não.
ANTÓNIO MORAIS

Você pensa que não?

JOÃO GRILO
Penso, sim. E digo isso porque ouvi o padre dizer: “Aquele cachorro, só porque é amigo de Antônio
Morais, pensa que é alguma coisa”.

ANTÔNIO MORAIS
Que história é essa? Você tem certeza?

JOÃO GRILO
Certeza plena. Está doidinho, o pobre do padre.

ANTÓNIO MORAIS
Pois vamos esclarecer a história, porque alguém vai
pagar essa brincadeira. Quanto à mania de benzer,
não faz mal, ele me será até útil. Meu filho mais
moço está doente e vai para o Recife, tratar-se. Tem uma verdadeira mania de igreja e não quer ir sem a
bênção do padre. Mas fique certo de uma coisa: hei de esclarecer tudo e se você está com brincadeiras
para meu lado, há de se arrepender. Padre João!

Padre João!
Sai pela direita. No mesmo instante, CHICÓ tenta fugir, mas João agarra-o pelo pescoço.

JOÃO GRILO
Não, você fica comigo. Vim encomendar a bênção do cachorro por sua causa e você tem de ficar. E mesmo,

Chicó, você já está acostumado com essas coisas, já teve até um cavalo bento!
CHICÓ
É, mas acontece que o major Antônio Morais pode ter alguma coisa de cavalo, de bento é que ele não tem nada.

JOÃO GRILO
Deixe de ser frouxo e fique aqui. ANTÔNIO MORAIS, voltando Ah, padre, estava aí? Procurei por toda parte.

PADRE, da igreja.Ora quanta honra! Uma pessoa como Antônio Morais na igreja! Há quanto tempo esses
pés não cruzam os umbrais da casa de Deus!

ANTÔNIO MORAIS
Seria melhor dizer logo que faz muito tempo que não venho à missa.

PADRE
Qual o que, eu sei de suas ocupações, de sua saúde…

ANTÔNIO MORAIS
Ocupações? O senhor sabe muito bem que não trabalho e que minha saúde é perfeita.

PADRE, amarelo

Ah,é?

ANTÔNIO MORAIS
Os donos de terras é que perderam hoje em dia o
senso de sua autoridade. Vêem-se senhores trabalhando em suas terras como qualquer foreiro.
Mas comigo as coisas são como antigamente, a velha ociosidade senhorial.

PADRE
É o que eu vivo dizendo, do jeito que as coisas vão, é o fim do mundo. Mas que coisa o trouxe aqui? Já sei, não diga, o bichinho está doente, não é?

ANTÓNIO MORAIS
É, já sabia?

PADRE
Já, aqui tudo se espalha num instante. Já está fedendo?

ANTÓNIO MORAIS
Fedendo? Quem?

PADRE
O bichinho

ANTÓNIO MORAIS
Não. Que é que o senhor quer dizer?

PADRE
Nada, desculpe, é um modo de falar.

ANTÔNIO MORAIS
Pois o senhor anda com uns modos de falar muito esquisitos.

PADRE
Peço que desculpe um pobre padre sem muita instrução. Qual é a doença? Rabugem?

ANTÔNIO MORAIS
Rabugem?

PADRE
Sim, já vi um morrer disso em poucos dias. Começou pelo rabo e espalhou-se pelo resto do
corpo.

ANTÔNIO MORAIS
Pelo rabo?

PADRE
Desculpe, desculpe, eu devia ter dito “pela cauda”.
Deve-se respeito aos enfermos, mesmo que sejam
os de mais baixa qualidade.

ANTÔNIO MORAIS
Baixa qualidade? Padre João, veja com quem está falando. A igreja é uma coisa respeitável, como
garantia da sociedade, mas tudo tem um limite.

PADRE
Mas o que foi que eu disse?

ANTÓNIO MORAIS
Baixa qualidade! Meu nome todo é Antônio Noronha de Brito Morais e esse Noronha de Brito
veio do Conde dos Arcos, ouviu? Gen te que veio nas caravelas, ouviu?

PADRE
Ah bem e na certa os antepassados do bichinho também vieram nas galeras, não é isso?

ANTÔNIO MORAIS

Claro! Se meus antepassados vieram, é claro que os dele vieram também. Que é que o senhor quer
insinuar? Quer dizer por acaso que a mãe dele…

PADRE
Mas, uma cachorra!…

ANTÓNIO MORAIS
O quê?

PADRE
Uma cachorra.

ANTÓNIO MORAIS
Repita.

PADRE
Não vejo nada de mal em repetir, não é uma cachorra mesmo?

ANTÔNIO MORAIS
Padre, não o mato agora mesmo porque o senhor é um padre e está louco, mas vou
me queixar ao bispo. (A João.) Você tinha razão. Apareça nos Angicos, que não se arrependerá
Sai.
PADRE, aflitíssimo
Mas me digam pelo amor de Deus o que foi que eu disse.

JOÃO GRILO
Nada, nada, padre. Esse homem só pode estar louco com essa mania de ser grande. Até ao cachorro ele
quer dar carta de nobreza!

PADRE
Faço tudo para agradá-lo e vai-se queixar ao bispo. Ah se fosse no tempo do outro! Aquele, sim, era um
santo, a coisa mais fácil do mundo era satisfazê-lo. Esse e agora é uma águia, um verdadeiro administrador. Será que vai me suspender?

JOÃO GRILO
Que nada, padre, antes disso eu vou aos Angicos e arranjo tudo.

PADRE
Arranja mesmo, João? Como?

JOÃO GRILO
Deixe comigo. Antônio Morais começou a ser meu amigo de repente. Não viu como me convidou para ir aos Angicos? Agora é assim, João Grilo pra lá, Antônio Morais pra cá… Está completamente
perturbado.

PADRE
Pois arranje as coisas, João, que você não se arrepende.E olhe que os pães que vêm para aqui são de graça!

PADEIRO
São de graça!

MULHER
E olhe que as obras da igreja é ele quem está custeando!

PADEIRO
Sou eu que estou custeando!PADRE, apaziguador. Que é isso, que é isso!

MULHER
O que é isso? É a voz da verdade, padre João. O senhor agora vai ver quem é a mulher do padeiro!

JOÃO GRILO
Ai, ai, ai e a Senhora, o que é que é do padeiro?

MULHER
A vaca…

CHICÓ
A vaca?!

MULHER
A vaca que eu mandei para cá, para fornecer leite ao vigário tem que ser devolvida hoje mesmo.

PADEIRO
Hoje mesmo!

PADRE
Mas até a vaca? Sacristão, sacristão!

JOÃO GRILO
A vaca também é demais. (Arremedando o padre.) Sacristão, sacristão! O Sacristão aparece à porta. É
um sujeito magro, pedante, pernóstico, de óculos azuis que ele ajeita com as duas mãos de vez em
quando, com todo cuidado. Pára no limiar da cena, vindo da igreja, e examina todo o pátio.

JOÃO GRILO
Sacristão, a vaca da mulher do padeiro tem que sair!

SACRISTÃO
Um momento. Um momento. Em primeiro lugar, o cuidado da casa de Deus e de seus ar redores. Que é isso? Que é isso?
Ele domina toda a cena, inclusive o Padre que tem Uma confiança enorme na empáfia) segurança e hipocrisia do secretário.

MULHER E PADEIRO, ao mesmo tempo, em resposta pergunta do Sacristão É o padre..
.

SACRISTÃO, afastando os dois com a mão e olhando para a direita Que é aquilo? Que é aquilo?
Sua afetação de espanto é tão grande, que todos se voltam para direção em que ele olha.

SACRISTÃO
Mas um cachorro morto no pátio da casa de Deus?

PADEIRO
Morto?

MULHER, mais alto
Morto?

SACRISTÃO
Morto, sim. Vou reclamar à Prefeitura.
PADEIRO, correndo e voltando-se do limiar verdade, morreu.

MULHER
Ai, meu Deus, meu cachorrinho morreu. Correm todos para a direita, menos João Grilo e Chicó.
Este vai para a esquerda, olha a cena que se desenrola lá fora, e fala com grande gravidade na voz.

CHICÓ
É verdade, o cachorro morreu. Cumpriu sua sentença e encontrou-se com o único mal
irremediável, aquilo que é a marca de nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato
sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo
morre.

JOÃO GRILO, suspirando.
Tudo o que é vivo morre. Está aí uma coisa que eu não sabia! Bonito, Chicó, onde foi que você ouviu
isso? De sua cabeça é que não saiu, que eu sei.

CHICÓ
Saiu mesmo não, João. Isso eu ouvi um padre dizer uma vez. (Esta cena, a partir daqui, é cortável, a
critério do encenador, até a frase “Mas deixe de agonia, que o povo vem aí”.) Foi no dia em que meu pirarucu morreu.

JOÃO GRILO
Seu pirarucu?

CHICÓ
Meu, é um modo de dizer, porque, para falar a verdade, acho que eu é que era dele. Nunca lhe contei isso não?

JOÃO GRILO
Não, já ouvi falar de homem que tem peixe, mas de peixe que tem homem, é a primeira vez.

CHICÓ
Foi quando eu estive no Amazonas. Eu tinha amarrado a corda do arpão em redor do corpo, de
modo que estava com os braços sem movimento. Quando ferrei o bicho, ele deu um puxavante maior e eu caí no rio.

JOÃO GRILO

O bicho pescou você!…

CHICÓ
Exatamente, João, o bicho me pescou. Para encurtar a história, o pirarucu me arrastou rio acima três dias
e três noites.

JOÃO GRILO
Três dias e três noites? E você não sentia fome não, Chicó?

CHICÓ
Fome não, mas era uma vontade de fumar danada. E o engraçado foi que ele deixou para morrer bem
na entrada de uma vila, de modo que eu pudesse escapar. O enterro foi no outro dia e nunca mais
esqueci o que o padre disse, na beira da cova.

JOÃO GRILO
E como o avistaram da vila?

CHICÓ
Ah, eu levantei um braço e acenei, acenei, até que uma lavadeira me avistou e vieram me soltar.

JOÃO GRILO
E você não estava com os braços amarrados, Chicó?

CHICÓ
João, na hora do aperto, dá-se um jeito a tudo.

JOÃO GRILO
Mas que jeito você deu?

CHICÓ
Não sei, só sei que foi assim. Mas deixe de agonia, queo povo vem aí.

MULHER, entrando.
Ai, ai, ai, ai, ai! Ai, ai, ai,ai,ai!

JOÃO GRILO, mesmo tom
Ai, ai, ai, ai, ai! Ai, ai, ai, ai, ai!
Dá uma cotovelada em CHICÓ.

CHICÓ, obediente
Ai, ai, ai, ai, ai, Ai, ai, ai, ai, ai!
Essa lamentação deve ser um mal entendido a representada de propósito, ritmada como choro de
palhaço de circo.

SACRISTÃO, entrando com o padre e o padeiro Que é isso, que é isso? Que barulho é esse na porta da casa de Deus?

PADRE
Todos devem se resignar.

MULHER
Se o senhor tivesse benzido o bichinho, a essas horas ele ainda estava vivo.

PADRE
Qual, qual, quem sou eu!

MULHER
Mas tem uma coisa, agora o senhor enterra o cachorro.

PADRE
Enterro o cachorro?

MULHER
Enterra e tem que ser em latim. De outro jeito não serve, não é?

PADEIRO
É, em latim não serve.
MULHER
Em latim é que serve!

PADEIRO
É, em latim é que serve!

PADRE
Vocês estão loucos! Não enterro de jeito nenhum.

MULHER
Está cortado o rendimento da irmandade.

PADRE
Não enterro.

PADEIRO
Está cortado o rendimento da irmandade!

PADRE
Não enterro.

MULHER
Meu marido considera

se demitido da presidência.

PADRE
Não enterro.
PADEIRO
Considero-me demitido da presidência!

PADRE
Não enterro.

MULHER
A vaquinha vai sair daqui imediatamente.

PADRE
Oh mulher sem coração!

MULHER
Sem coração, porque não quero ver meu cachorrinho comido pelos urubus? O senhor
enterra!

Padre
Ai meus dias de seminário, minha juventude heróica e firme!

MULHER
Pão para a casa do vigário só vem agora dormido e com o dinheiro na frente. Enterra ou não enterra?

PADRE
Oh mulher cruel

MULHER
Decida-se, Padre João.

PADRE
Não me decido coisa nenhuma, não tenho mais idade para isso. Vou é me trancar na igreja e de lá
ninguém me tira. Entra na igreja, correndo.

JOÃO GRILO, chamando o patrão à parte.Se me dessem carta branca, eu enterrava o cachorro.

PADEIRO
Tem a carta.

JOÃO GRILO
Posso gastar o que quiser?

PADEIRO
Pode.

MULHER
Que é que vocês estão combinando aí?

JOÃO GRILO
Estou aqui dizendo que, se é desse jeito, vai ser difícil cumprir o testamento do cachorro, na parte do dinheiro que ele deixou para o padre e para o sacristão.

SACRISTÃO
Que é isso? Que é isso? Cachorro com testamento?

JOÃO GRILO
Esse era um cachorro inteligente. Antes de morrer, olhava para a torre da igreja toda vez que o sino batia. Nesses últimos tempos,já doente para morrer, botava uns olhos bem compridos para os lados daqui, latindo na maior tristeza. Até que meu patrão entendeu, com a minha patroa, é claro, que ele queria ser abençoado pelo padre e morrer como cristão. Mas nem assim ele sossegou. Foi preciso que o patrão prometesse que vinha encomendar a bênção e que, no caso de ele morrer, teria um enterro em latim. Que em troca do enterro acrescentaria no testamento dele dez contos de réis para o padre e três para o sacristão.

SACRISTÃO, enxugando uma lágrima.Que animal inteligente! Que sentimento nobre!
(Calculista.) E o testamento? Onde está?

JOÃO GRILO
Foi passado em cartório, é coisa garantida. Isto é, era coisa garantida, porque agora o padre vai deixar
os urubus comerem o cachorrinho e, se o testamento for cumprido nessas condições, nem
meu patrão nem minha patroa estão livres de serem perseguidos pela alma.

CHICÓ, escandalizado
Pela alma?

JOÃO GRILO
Alma não digo, porque acho que não existe alma de cachorro, mas assombração de cachorro existe e é
uma das mais perigosas. E ninguém quer se arriscar assim a desrespeitar a vontade do morto.

MULHER, duas vezes.
Ai, ai, ai, ai, ai!

JOÃO GRILO E CHICÓ, mesma cena.

SACRISTÃO, cortante Que é isso, que é isso? Não há motivo para essas lamentações. Deixem tudo comigo. Entra apressadamente na igreja.

PADEIRO
Assombração de cachorro? Que história é essa?

JOÃO GRILO
Que história é essa? Que história é essa é que o cachorro vai se enterrar e é em latim.

PADEIRO
Pode ser que se enterre, mas em assombração de cachorro eu nunca ouvi falar.

CHICÓ
Mas existe. Eu mesmo já encontrei uma.PADEIRO, temeroso Quando? Onde?

CHICÓ
Na passagem do riacho de Cosme Pinto.

PADEIRO
Tinham me dito que o lugar era assombrado, mas nunca pensei que se tratasse de assombração de
cachorro.

CHICÓ
Se o lugar é assombrado, não sei. O que eu sei é que eu ia atravessando o sangrador do açude e me caiu
do bolso nágua uma prata de dez tostões. Eu ia com meu cachorro e já estava dando a prata por perdida, quando vi que ele estava assim como quem está cochichando com outro. De repente o cachorro mergulhou, e trouxe o dinheiro, mas quando fui verificar só encontrei dois cruzados. PADEIRO Oi! E essas almas de lá têm dinheiro trocado?

CHICÓ
Não sei, só sei que foi assim. O Sacristão e o Padre saem da igreja.

SACRISTÃO
Mas eu não já disse que fica tudo por minha conta?

PADRE
Por sua conta como, se o vigário sou eu?

SACRISTÃO
O vigário é o senhor, mas quem sabe quanto o testamento sou eu.

PADRE
Hem? O testamento?

SACRISTÃO
Sim o testamento.

PADRE
Mas que testamento é esse?

SACRISTÃO
O testamento do cachorro.

PADRE
E ele deixou testamento?

PADEIRO
Só para o vigário deixou dez contos.
PADRE
Que cachorro inteligente! Que sentimento nobre!

JOÃO GRILO
E um cachorro desse ser comido pelos urubus! É a maior das injustiças.

PADRE
Comido, ele? De jeito nenhum. Um cachorro desse não pode ser comido pelos urubus.Todos aplaudem, batendo palmas ritmadas e discretas e o Padre agradece, fazendo mesuras. Mas de repente lembra-se do Bispo.

PADRE, aflito.
Mas que jeito pode-se dar nisso? Estou com tanto medo do bispo! E tenho medo de cometer um sacrilégio!

SACRISTÃO
Que é isso, que é isso? Não se trata de nenhum sacrilégio. Vamos enterrar uma pessoa altamente
estimável, nobre e generosa, satisfazendo, ao mesmo tempo, duas outras pessoas altamente
estimáveis (Aqui o padeiro e a mulher fazem uma curvatura a que o sacristão responde com outra
igual), nobres (Nova curvatura.) e, sobretudo, generosas. (Novas curvaturas.) Não vejo mal
nenhum nisso.

PADRE
É, você não vê mal nenhum, mas quem me garante que o bispo também não vê?
SACRISTÃO
O bispo?

PADRE
Sim, o bispo. É um grande administrador, uma águia a quem nada escapa.

JOÃO GRILO
Ah, é um grande administrador? Então pode deixar tudo por minha conta, que eu garanto.

PADRE
Você garante?

JOÃO GRILO
Garanto. Eu teria medo se fosse o anterior, que era um santo homem. Só o jeito que ele tinha de olhar para a gente me fazia tirar o chapéu. Mas com esses grandes administradores eu me entendo que é uma
beleza.

SACRISTÃO
E mesmo não será preciso que Vossa Reverendíssima intervenha. Eu faço tudo.

PADRE
Você faz tudo?

SACRISTÃO
Faço.

MULHER
Em latim?

SACRISTÃO
Em latim.

PADEIRO
E o acompanhamento?

JOÃO GRILO
Vamos eu e Chicó. Com o senhor e sua mulher, acho que já dá um bom enterro.

PADEIRO
Você acha que está bem assim?

MULHER
Acho.

PADEIRO
Então eu também acho.

SACRISTÃO
Se é assim, vamos ao enterro. (João Grilo estende a mão a Chicó, que a aperta calorosamente.) Como se
chamava o cachorro?

MULHER, chorosa

Xaréu.

SACRISTÃO, enquanto se encaminha para a direita em tom de canto gregoriano. Absolve, Domine, animas omnium fidelium
defunctorum ab omni vinculi delictorum.TODOS Amém.Saem todos em procissão, atrás do sacristão, com exceção do padre, que fica um momento silencio so, levando depois a mão à boca, em atitude angustiada, e sai correndo para a igreja. Aqui o espetáculo pode ser interrompido, a critério do ensaiador, marcando-se o fim do primeiro ato. E pode-se continuá-Lo, com a entrada do Palhaço. PALHAÇO Muito bem, muito bem, muito bem. Assim se conseguem as coisas neste mundo. E agora, enquanto Xaréu se enterra “em latim”, imaginemos o que se passa na cidade.

Antônio Morais saiu furioso com o padre e acaba de ter uma longa conferência com o bispo a esse respeito. Este,
que está inspecionando sua diocese, tem que atender a inúmeras conveniências. Em primeiro
lugar, não pode desprestigiar a Igreja, que o padre, afinal de contas, representa na paróquia. Mas tem também que pensar em certas conjunturas e transigências, pois Antônio Morais é dono de todas as minas da região e é um homem poderoso, tendo enriquecido fortemente o patrimônio que herdou, e que já era grande, durante a guerra, em que o comércio de minérios esteve no auge. De modo que lá vem o Bispo. Peço todo o silêncio e respeito do auditório, porque a grande figura que se aproxima é, além de Bispo, um grande administrador e político. Sou o primeiro a me curvar diante deste grande príncipe da Igreja, prestando-lhe minhas mais carinhosas homenagens. Curva-se profundamente e o Bispo entra pela direita, acompanhado pelo Frade. O Bispo é um personagem medíocre, profundamente enfatuado, enquanto o Frade, a quem todos tratam com desprezo mal disfarçado, é a alegria e bondade em
pessoa. Ante a curvatura do Palhaço, o Bispo faz um gesto soberano, mandando-o erguer-se. O Frade aponta o Palhaço e dispara na risada, tapando a boca com a mão, mas o Bispo olha – o severamente e o Frade baixa a cabeça, intimidado. Nova curvatura do Palhaço, novo gesto do Bispo.

PALHAÇO, animado
pelo acolhimento Muito bem, olá, como está Vossa Reverendíssima,
como vai essa prosápia, essa biz

51 comentários em “Auto da Compadecida (O TESTAMENTO DO CACHORRO)

  1. gabriela disse:

    cade a continuação ?😦

  2. Flaviah Souza disse:

    eu preciso do resto do ato 6 para uma peça q estou fazendo por favor tem como vc postar

  3. julia vanilly disse:

    aah não..cadê a continuação eu precisava das falas p mim fazer uma peça na escola..! se tiver como me mandar faz isso!!🙂

  4. ana carolina disse:

    preciso do roteiro da peça inteira se puder colocar até essa semana

  5. joana disse:

    eu preciso muito da continuação, tenho um trabalho de literatura, e tenho que analisar o roteiro e tal se puder me mandar por e-mail a continuação o quanto antes ficaria muito grata, desde já agradeço

  6. roel disse:

    enteresanteeeeeeeeeee

  7. roel disse:

    eu gostei maiiissssssssssss cadeeeeeeeeeeeee a continuaçao

  8. Érika Lôbo disse:

    Poxa como faço para conseguir o resto ? Mim ajuda ?

  9. ana carolina disse:

    por favor mande pelo meu email a continuação do roteiro preciso urgente:carolmaiaduarte.96@hotmail.com

  10. Sueli disse:

    Por favor, onde está a continuação?

  11. karine disse:

    me manda a continuação por favor email : karinekellen@yahoo.com.br

  12. Esta peça, pessoal, está bastante solicitada, mas infelizmente foi deletada algumas partes, por isso leva um tempo para que eu possa ir escrevendo novamente, peço paciência a todos, tenho várias peças para ser produzidas e publicadas no blog. Assim que preparar tudo, publico.

    Abraços a todos

  13. Nathalia disse:

    ola Sebastião Miguel gostaria de saber se você já publicou a continuação da peça O Alto da Compadecida,pois preciso muito dela toda.desde já agradeço

  14. joasinho disse:

    keria o resto na parte do jugamento

  15. Wellison disse:

    Sebastião bom dia! seria possivél vc me enviar toda a peça para eu trabalhar com meus alunos do 6 ano para um festival de cultura que acontece aqui na escola? teria como vc me enviar para wranilegal2@gmail.com
    fico agradecido

  16. Nínive disse:

    Boa noite Sebastião!
    Gostaria que me ajudasse…
    Se você tiver o arquivo do Auto da Compadecida agradeceria muito!!!!
    meu email é ninivemaria_freitas@hotmail.com.
    Preciso pra sábado.
    Desde já agradeço, e parabenizo pela matéria.

    • Boa noite, Nínive.

      Essa peça é fragmentada e o roteiro é por capítulo. A continuação se dá com o julgamento e leva algum tempo para que possa publicar. Por enquanto eu publiquei o roteiro do testamento do cachorro. Peço que você leia a peça,o primeiro ato é muito engraçado.

  17. Naomi disse:

    publique a continuaçao por favor com urgencia!!

  18. Erika Santos disse:

    Por favor, preciso muito da continuação das falas d filme tenho q fazer uma peça teatral e um filme… é urgente preciso pra outra semana, tem como???

  19. Alan disse:

    kkk vou encenar ele na escola

  20. Thamires Maciel disse:

    Olá!
    Tem como você ne enviar a continuação?
    Porque vou encenar está peça.

    Desde já, obrigada!

    Att, Thamires Maciel

  21. netotjs54@gmail.com disse:

    manda a continuação ai

  22. vc poderia me enviar a continuação? peço encarecidamente… vamos encena-la e preciso o mais rapido possivel desde ja agradeço

  23. Danielly Eloilly disse:

    Olá, estou precisando muito do restante da peça, para trabalhar com meus alunos, tem como vc me enviar por favor? danyeloilly@hotmail.com

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s