Resumos de Obras Literárias –

Pérolas do vestibular

Frases colhidas no vestibular 2000:
* Lavoisier foi guilhotinado por ter inventado o oxigênio.

* O nervo ótico transmite idéias luminosas.

* O vento é uma imensa quantidade de ar.

* O terremoto é um pequeno movimento de terras não cultivadas.

* Os egípcios antigos desenvolveram a arte funerária para que os mortos pudessem viver melhor.

* Péricles foi o principal ditador da democracia grega.

* O problema fundamental do terceiro mundo é a superabundância de necessidades.

* O petróleo apareceu há muitos séculos, numa época em que os peixes se afogavam dentro d’água.

* A principal função da raiz é se enterrar.

* A igreja vem perdendo muita clientela.

* O Sol nos dá luz, calor e turistas.

* As aves têm na boca um dente chamado bico.

* A unidade de força é o Newton, que significa a força que se tem que realizar em um metro da unidade de tempo, no sentido contrário.

* Lenda é toda narração em prosa de um tema confuso.

* A harpa é uma rosa que toca.

* A febre amarela foi trazida da China por Marco Polo.

* Os ruminantes se distinguem dos outros animais porque o que comem, comem por duas vezes.

* O coração é o único órgão que não deixa de funcionar 24 horas por dia.

* Quando um animal irracional não tem água para beber, só sobrevive se for empalhado.

* A insônia consiste em dormir ao contrário.

* A arquitetura gótica se notabilizou por fazer edifícios verticais.

* A diferença entre o Romantismo e o Realismo é que os românticos escrevem romances e os realistas nos mostram como está a situação do país.

* O Chile é um país muito alto e magro.

* As múmias tinham um profundo conhecimento de Anatomia.

* O batismo é uma espécie de detergente do pecado original.

* Na Grécia, a democracia funcionava muito bem, porque os que não estavam de acordo, se envenenavam.

* A prosopopéia é o começo de uma epopéia.

* Os crustáceos fora d’água respiram como podem.

* Os hermafroditas nascem unidos pelo corpo.

* As glândulas salivares só trabalham quando a gente têm vontade de cuspir.

* A fé é uma graça através da qual podemos ver o que não vemos.

* Os estuários e os deltas foram os primeiros habitantes da Mesopotâmia.

* O objetivo da Sociedade Anônima é ter muitas fábricas desconhecidas.

* A Previdência Social assegura o direito à enfermidade coletiva.

* O Ateísmo é uma religião anônima.

* A respiração anaeróbica é a respiração sem ar, que não deve passar de três minutos.

* O calor é a quantidade de calorias armazenadas numa unidade de tempo.

* Antes de ser criada a Justiça, todo mundo era injusto.

* Caracteres sexuais secundários são as modificações morfológicas sofridas por um indivíduo após manter relações sexuais.
(Colaboração da leitora Zoraida Gazal Ale.)

Mais pérolas…

Redação

* Sobrevivência de um aborto vivo (título).

* O Brasil é um país abastardo com um futuro promissório.

* O maior matrimônio do país é a Educação.

* Precisamos tirar as fendas dos olhos para enxergar com clareza o número de famigerados que almenta (sic).

* Os analfabetos nunca tiveram chance de voltar à escola.

* O bem star (sic) dos abtantes endependente (sic) de roça, religião, sexo e vegetarianos, está preocudan-do-nos.

* É preciso melhorar as indiferenças sociais e promover o saneamento de muitas pessoas.

* Também preoculpa (sic) o avanço regesssivo da violência.

* Segundo Darcy Gonçalves (Darcy Ribeiro) e o juiz Nicolau de Melo Neto (Nicolau dos Santos Neto).

* E o presidente onde está? Certamente em sua cadeira, fumando baseado e conversando com o presidente dos EUA.
História

* O hino nacional francês se chama La Mayonèse…

* Tiradentes, depois de morto, foi decapitulado.

* Resposta a uma pergunta: “Não cei”.

* Entres os índios de América, destacam-se os aztecas, os incas, os pirineus, etc.

* A História se divide em 4: Antiga, Média, Moderna e Momentânea (esta, a dos nossos dias).

* Em Esparta as crianças que nasciam mortas eram sacrificadas.

* Resposta à pergunta: “Que entende por helenização?”: “Não entendo nada”.

* No começo os índios eram muito atrazados mas com o tempo foram se sifilizando.

* Entre os povos orientais os casamentos eram feitos “no escuro” e os noivos só se conheciam na hora h.

* Então o governo precisou contratar oficiais para fortalecer o exército da marinha.

* Em homenagem a Gutenberg, fizeram na Alemanha uma estátua, tirando uma folha do prelo, com os dizeres: “e a luz foi iluminada”.

* No tempo colonial o Brasil só dependia do café e de outros produtos extremamente vegetarianos.
Geografia

* A capital de Portugal é Luiz Boa.

* A Geografia Humana estuda o homem em que vivemos.

* O Brasil é um país muito aguado pela chuva.

* Na América do Norte tem mais de 100.000 Km de estradas de ferro cimentadas.

* Oceano é onde nasce o Sol; onde ele nasce é o nascente e onde desce decente.

* Na América Central há países como a República do Minicana.

* A Terra é um dos planetas mais conhecidos no mundo.

* As constelações servem para esclarecer a noite.

* As principais cidades da América do Norte são Argentina e Estados Unidos.

* Expansivas são as pessoas tangarelas.

* O clima de São Paulo é assim: quando faz frio é inverno; quando faz calor é verão; quando tem flores é primavera; quando tem frutas é outono e quando chove é inundação.

* Os plantetas são 9: Mercúrio, Venus,Terra, Marte. Os outros 5 eu sabia mas como esqueci agora e está na hora de entregar a prova, o sr. não vai esperar eu lembrar, vai? (e espero que não vai abaixar a nota por causa disso).
(Colaboração do leitor Márcio Werneck.)

E ainda mais pérolas..

* “(…) quanto à opinião pública, podemos dizer que ela é mutável. Por exemplo: na hora do parto, a mulher pode optar pelo aborto.”

* “A comunicação é importante porque comunica algo entre duas ou mais pessoas que querem se comunicar”

* “O Press release tem esse nome porque realiza as coisas com pressa”.

* “O problema da comunicação social no Brasil é que ela é dirigida por brasileiros, deveríamos trazer os americanos.

* “O endomarketing é como se fosse o marketing endovenoso.”
* “Eu acho que a resposta é não. Como o professor deve ter pensado numa armadilha, respondo que é sim.

* “O público mixto é composto por aquelas pessoas que entram e saem da empresa. Ou seja nunca estão totalmente dentro, nem totalmente fora.”

* “(a questão dizia que a afirmativa era CORRETA, pedia a justificativa somente). “Disconcordo com a questão. Ela não pode ser positiva. Nunca fiz prova que o professor dissesse que era afirmativa uma questão. Deve ser uma pegadinha, tipo do Faustão.

* “A comunicassão social e feita de mim para voçês”

* “A televisão é influenciativa em nossas vidas. Quantas vezes não compramos um tênis porque vemos na TV? A programação deveria ser mais educante(…)”.

* “A empresa e o público ixterno caminhão juntos, incluindo aí a emprensa.”
* “O proficional de comunicação tem um mercado bundante a sua disposição, afinal, todos se comunicam na terra(…)”.

* “O ruído realmente atrapalha muito a comunicação. Aqui na universidade fico atordoado quando passa o trem, quase não ouço o professor. As salas deveriam ser à prova de som”.

* “O fidibeque é a mesma coisa que a retroinformação, ou seja a informação que vem por trás.”

* “A comunicação é uma junção da verdade com a falsidade, afinal fofoca é uma coisa feia e é comunicação”.

* “Faço comunicação porque acho importante ser comunicadora, mas não acho importante ler jornal (suja a mão), nem ficar em casa vendo TV. Acho melhor me comunicar entre si.”

* “A comunicação é moderna porque usa modernidades da atualidade.”
* “Os principais meios utilizados pelas comunicação são: meios orais (que são falados), meios auditivos (que são ouvidos) e mais tácteis (que são sentidos).”

* “A comunicação é de massa porque precisamos utilizar a massa cinzenta para compreendê-la”.

* “Marketing em português é mercado, marketing pessoal, portanto é o mercado que freqüentamos.”

* “Ao utilizarmos a comunicação nos comunicamos.”

* “Se a comunicação é pessoal, envolvendo o emissor e o receptor, como podemos pensar em comunicação empresarial? A empresa se expressa por si só?”
(Colaboração do leitor Fernando Luís Basto.)
Todos os anos, após os vestibulares, as “pérolas” aparecem. Creio que há um certo exagero e muitas podem ser criação de brincalhões. São muito engraçadas, mas que assustam, assustam.

A Ignorância e a Burrice
Antônio Caetano

“As constelações servem para esclarecer a noite”. Bela frase, não? A mim, soa como Guimarães Rosa, o uso ambíguo do verbo esclarecer sugerindo algo de arcaico e místico. Um astrólogo certamente enxergaria nela vestígios simbólicos, as constelações servindo para aclarar a obscuridade de nossos destinos. Um marinheiro, por outro lado, veria na frase a expressão de uma verdade empírica: à noite, navegamos orientados pelas estrelas — conhecimento indispensável quando nos faltam instrumentos. Eu fico com a ressonância lírica — me basta.
Juro: se pudesse, roubava a frase para dizê-la como um comentário displicente depois de observar longamente o céu salpicado de estrelas numa noite de lua nova, lá no alto da serra. Sim, depois de um longo silêncio eu sussurraria ao teu ouvido num tom grave e sorrateiro: “As constelações servem para esclarecer a noite”, e certamente mais duas estrelas se acenderiam no teu rosto, cheias de admiração pela sabedoria que eu teria se a frase fosse minha…
E nem seria difícil me apropriar da frase, visto que ela talvez hoje envergonhe seu autor anônimo, depois de ter sido enjeitada pelos bedéis do senso comum que julgaram as redações da galera que prestou vestibular para UFRJ este ano. Eles não só não gostaram da frase como a incluíram em uma mensagem eletrônica que fizeram circular pela Internet (eu só recebi agora) reunindo o que consideraram ironicamente como “pérolas”: frases que continham erros mais ou menos crassos — fosse de informação, sintaxe ou grafia.
Há outras frases igualmente geniais. Por exemplo: “O Brasil é um país abastardo com um futuro promissório”. Engraçadíssima síntese histórica, sociológica e econômica! E se há erro no uso do “abastardo”, salva-se o “promissório” — que, basta consultar o Aurélio, serve de sinônimo de “promissor”, sim — além de criar uma ambigüidade semântica digna dos melhores humoristas.
Outra na mesma linha: “É preciso melhorar as indiferenças sociais e promover o saneamento de muitas pessoas”. Esta é irretocável! Nossa indiferença social é mais do que visível, é chocante, e certamente o saneamento de algumas pessoas poderia ser a solução — isto é, se crermos que certas pessoas são mesmo saneáveis… Um jovem sustentar essa esperança me enche de genuína alegria.
Outras duas me surpreenderam positivamente por seu evidente surrealismo: “A Geografia Humana estuda o homem em que vivemos”. Ora, não sei se existe mesmo uma geografia humana, mas certamente não faltariam acadêmicos que defenderiam a idéia de que o homem é um produto da cultura e que, portanto, o homem antecede o homem — isto é, vivemos “em” um homem que nos é dado ou imposto sob a forma de uma língua, costumes, preconceitos e gostos que seria mesmo importante estudar, até para podermos saneá-lo.
A segunda diz assim: “A História se divide em 4: Antiga, Média, Moderna e Momentânea (esta, a dos nossos dias)”. O.K., era pra se dizer “contemporânea”, mas na velocidade em que anda a história o rapaz ou a moça foi talvez premonitório — ou deveria eu dizer promontório?
Finalmente, três frases que foram rejeitadas certamente apenas por seu tom coloquial, pois a verdade delas é tão cristalina que dispensa qualquer defesa: “Com a morte de Jesus Cristo os apóstolos continuaram a sua carreira.” (E com enorme sucesso, ressalte-se). “Os pagãos não gostavam quando Deus pregava sua dotrina e tinham a idéia de eliminá-lo.” (Está certo, faltou o u de doutrina, mas a ênclise chiquérrima compensa-a com sobras). “Entre os povos orientais os casamentos eram feitos “no escuro” e os noivos só se conheciam na hora h.”
Pois é, eis aí exposta a diferença entre a ignorância e a burrice. Ignorância é falta de conhecimento. Burrice é preconceito travestido de conhecimento. O ignorante pode ou não ter consciência do que não sabe. O burro tem certeza de que sabe o que, na verdade, não sabe. O burro, enfim, privilegia o mediano, o medíocre, o conhecido e reiterado. Está condenado a repetir, cego para a “milionária contribuição de todos os erros” de que falava Mário de Andrade — ou seria Oswald?
Bom, ficam desde já convidados os autores das frases citadas a comparecer a este jornal para receber a Comenda Mário de Andrade (ou será Oswald?) em reconhecimento a sua modesta, mas decisiva, contribuição ao nosso milionário acervo de erros. Pois, vítimas de um ensino dominado pelos burros, conseguiram dar um brilho de genialidade à própria ignorância. Parabéns e obrigado — minhas melhores esperanças repousam sobre vós.

Antônio H. Caetano é carioca, nascido em 1958. Foi repórter, editor e redator de publicidade, fez seus sambas e cometeu poemas. Seu livro, “O Escafandrista e a Bailarina”, edição do autor, pode ser comprado em sua página.
Atualmente (janeiro/2002) o autor escreve — às segundas-feiras — crônicas no jornal “Tribuna da Imprensa” e é o “factótum” do Café Impresso.

Crônica De Uma Morte Anunciada
(Gabriel Garcia Marquéz)

CRÔNICA DE UMA MORTE ANUNCIADA

“No dia em que iam matá-lo, Santiago Nasar levantou-se às 5:30 da manhã para esperar o barco em que chegava o bispo. Tinha sonhado que atravessava uma mata de figueiras-bravas, onde caía uma chuva miúda e branda, e por instantes foi feliz No sono, mas ao acordar sentiu-se todo borrado de caca de pássaros. ”Sonhava sempre com árvores”, disse-me a mãe, Plácida Linero, recordando 27 anos depois os pormenores daquela segunda-feira ingrata. ”Na semana anterior tinha sonhado que ia sozinho num avião de papel de estanho que voava sem tropeçar por entre as amendoeiras”, disse-me. Tinha uma reputação bastante bem ganha de intérprete certeira dos sonhos alheios, desde que lhos contassem em jejum, mas não descobrira qualquer augúrio aziago nesses dois sonhos do filho, nem nos restantes sonhos com árvores que ele lhe contara nas manhãs que precederam sua morte”.
Esse primeiro parágrafo do livro “Crônica de uma Morte Anunciada”, de Gabriel García Marques, traduz com perfeição a receita que o próprio autor prescreve ao considerar que UM conto, história ou romance, deve trazer, logo nas primeiras linhas, todo um universo que além de atar o leitor no enredo ainda possibilite desvendar de imediato perfis psicológicos, embrólios inusitados e, principalmente, a forma literária utilizada pelo escritor. “Gabo”, como é conhecido em seu meio, é useiro e vezeiro desta artimanha.
Crônica de uma Morte Anunciada traduz com perfeição todo o estilo proposto acima. Trata-se de um conto onde o pobre apreciador cai em uma artimanha que o impossibilita largar as letras antes de chegar ao seu término.
O livro já inicia apresentando o morto, seguindo por um labirinto de atalhos e novidades que faz da leitura um prazer a parte. Conta o autor que todos sabiam do crime que seria realizado, menos o futuro morto, que por uma dessas coisas só permitida no Realismo Fantástico, teria o conhecimento de seu triste final, momentos antes de ser protagonista do mesmo.
Os acontecimentos são descortinados justamente no dia da visita do bispo, que seria seguida por toda a comunidade, com direito a presentes e carinhos, inclusive o próprio Santiago Nasar, futuro moribundo, havia colaborado com os mimos, cedendo “vários carregos de lenha às solicitações públicas do padre Carmen Amador, além de que escolhera pessoalmente os galos de cristas mais apetitosas”. Todo esse cuidado era devido ao fato do bispo apreciar sopa de crista de galo. Este costume do pastor de almas era considerado heresia por Victoria Gusmán – serviçal da residência Nasar, tendo sido amante do pai da Santiago, Ibrahim Nasar, que após perder o gosto pela nativa, a colocou para dentro de casa – pelo simples fato de ser utilizado apenas a crista do galináceo.
O motivo do assassinato, bem como a identidade dos assassinos do jovem Santiago, que havia completado 21 anos em janeiro, com a história se passando em fevereiro, são revelados em contas gotas, sempre em crescendo. O rapaz, que havia perdido o pai (do qual herdara o gosto pelas armas) apenas três anos antes dos fatídicos acontecimentos e que administrava a fazenda deixada em espólio, contribui sobre maneira para que o palco trágico fosse armado. O enredo deixa claro que todos os passos do homem que estava com o “couro negociado”, foram seguindo uma coreografia que apesar dos esforços dos verdugos em não cumprirem sua promessa, fazem com que eles se vejam frente a frente com a oportunidade real de cometerem o ato transloucado.
&np; Na véspera da visita do prelado, a cidade beira-rio estava vivendo um fausto casamento, o maior até então visto. Apenas em bebidas “se consumiram duzentas e cinco caixas de contrabando e quase duas mil garrafas de rum de cana”. Os noivos eram o já citado Bayardo San Román, um aventureiro que havia aparecido no lugar ninguém sabendo de onde, apenas era do conhecimento geral sua riqueza e modos cativantes. Tanto assim que quando sua futura esposa lhe revelou qual a casa mais bonita da região, não se fez de rogado, pagando um preço muito maior que o justo por tal residência. Bayardo, no seu intento de adquirir o lar sonhado pela noiva, que seria devolvida aos pais na mesma noite do casamento, chegou a constranger o “viúvo Xius”, dono original, que ali havia vivido trinta anos de felicidade, ao lado da companheira que tinha tomado exagerados cuidados para poder decorá-lo, não querendo se desfazer de jeito nenhum de suas lembranças de alcova. Não resistindo as propostas e insistência do comprador, o viúvo não teve outra alternativa a não ser aceitar a negociação, morrendo dois meses depois. A noiva era Angela Vicario, filha mais nova de um “ourives de pobres”, tendo duas irmãs e dois irmãos gêmeos, Pedro e Pablo Vicario, matadores de criações e que tinham nas vísceras de animais suas telas de fundo no ofício. Mal saberiam eles o como era diferente matar um homem, mesmo com o costume de expor vísceras ao sol. Todos na casa guardavam luto da terceira filha do ourives, apesar de dois anos já terem se passado de seu falecimento.
Os noivos haviam se conhecido seis meses antes, por completo acaso. Desde a primeira vez, Bayardo sabia que aquela seria sua futura esposa, solicitando a proprietária do hotel em que morava, para lembrá-lo de que se casaria com a rapariga, mesmo com os acontecimentos posteriores mostrando que o matrimônio se realizaria, mas a felicidade estava além de ambos. O filho de general conheceu realmente Angela nas festas cívicas, quando a rapariga seria a porta-voz de uma rifa. Na oportunidade, Bayardo comprou todos os números do sorteio, que tinha como prêmio um gramofone, com detalhes em madre-pérola, enviando-o a seguir à cobiçada moça. Quando o gramofone foi lhe remetido novamente, pelo alto valor do carinho e pelo fato de ainda não conhecer a família de Angela, os gêmeos, encarregados pela devolução, não o conseguiram fazer, embevecidos pelo álcool e modos envolventes do forasteiro. A corte é realizada, e a pedido de uma das irmãs de Angela, Bayardo é obrigado a desvendar toda sua pregressa vida.
O carrossel continua seguindo seu ritmo, como este brinquedo de diversão infantil, os fatos vão se repetindo, mas a cada volta um elemento novo é proposto. Entram em cena infindáveis personagens, cada qual com uma possibilidade de evitar o assassinato. O próprio Santiago, caso tivesse alterado um dos seus hábitos e mantido outros, poderia ter esquivado o destino. Bastaria sair pela porta costumeira, a dos fundos, para evitar seus algozes. Bastaria ter vestido seu costume normal, que a morte não lhe alcançaria. Mas os desígnios são mostrados como inevitáveis e mesmo com todos sabendo o que esperava o desafortunado, que ao menos sabia os motivos de sua sorte cadavérica nada poderia ser feito, para que a “dama ceifadora” fizesse sua incursão no enredo com a perfeição que lhe era esperado.
Apenas em uma banca (bar), 22 pessoas declararam que ouviram os gêmeos afirmarem que matariam Santiago. No mercado, onde por duas vezes os irmãos Vicario foram afiar suas facas, também revelaram sua intenção. Vários “carniceiros” apenas pensaram que seria coisa de bêbados. Um deles chegou a avisar um policial, que não tomou, aparentemente, qualquer atitude. Como em um rastilho, todos sabiam o que iria acontecer. Todos olharam Santiago retornar.

———————————————————————————–Prof. Sebastião Miguel—————-

CONTOS

A Cartomante (Conto de Várias Histórias), de Machado de Assis.

O conto A Cartomante, de Machado de Assis, mostra a visão objetiva e pessimista da vida, do mundo e das pessoas (abolição do final feliz). A autor faz uma análise psicológica das contradições humanas na criação de personagens imprevisíveis, jogando com insinuações em que se misturam a ingenuidade e malícia, sinceridade e hipocrisia.

Crítica humorada e irônica das situações humanas, das relações entre os personagens e seus padrões de comportamento. Linguagem sóbria que, entretanto, não despreza os detalhes necessários a uma análise profunda da psicologia humana.

Envolvimento do leitor pela oralidade da linguagem. A historia é repleta de “conversas” que o narrador estabelece freqüentemente com o leitor, transformando-o em cúmplice e participante do enredo (metalinguagem).

Citação de um autor clássico (shakespeare) intertextualidade; reflexão sobre a mesquinhez humana e a precariedade da sorte humana. Os aspectos externos (tempo cronológico, espaço, paisagem) são apenas pontos de referência, sem merecerem maior destaque.

Estilo

A Cartomante é um conto onde podemos observar características marcantes do estilo de Machado de Assis. O uso de metáforas constantes, o comportamento imprevisível dos personagens e seu valor filosófico, o uso de comparações superlativas, bem como a ambigüidade em seus personagens.

O autor usa intertextualizações literárias, e o recurso da narrativa onisciente, para dinamizar o relato da história acentuando os momentos dramáticos do texto. Usa este recurso que eleva e prolonga o suspensa da história, mantendo o leitor atento durante todo o desenrolar do conto.

Sem estes ingredientes, sem dúvida o texto não teria a mesma dinâmica e seu epílogo não teria a mesma ênfase. Sem os pretextos machadianos facilmente saberíamos o desfecho da história ao lermos suas primeiras linhas. O uso destes atributos faz com que a historia gire em torno de seu próprio eixo dramatical sem que percebemos o uso desta técnica literária.

Foco narrativo

A historia é narrada em terceira pessoa. Existe a presença onisciente do autor, que usa desta onisciência na narração e descrição dos fatos. O uso constante de uma voz onisciente é importante para dinamizar o relato da historia acentuando os momentos dramáticos do texto e conflitos internos dos personagens, fortalecendo seu epílogo.

Sem essas características o texto tornar-se-ia monótono, pois a primeira leitura saberíamos de antemão seu desfecho. Também através deste recurso, o autor vai situando o leitor durante o curso da historia, ilustrando fatos e intertextualizando a narrativa.

Personagens

Embora a trama gire em torno de 4 personagens principais Vilela, Camilo, Rita e a cartomante (incógnita), existem outros personagens que não participam diretamente na trama, mas suas participações são determinantes no enredo da história.

A morte da mãe de Vilela, que é uma personagem secundária tem papel fundamental no envolvimento amoroso dos personagens Camilo e Rita. O autor analisa e enfatiza psicologicamente todos os personagens preconizando seus conflitos internos bem como seus temores.

Enredo

Está o tema do triângulo amoroso e do adultério, já presente nas Memórias (Brás Cubas, Virgília, Lobo Neves). Os amigos de infância Camilo e Vilela, depois de longos anos de distância, reencontram-se. Vilela casara-se com Rita, que mais tarde seria apresentada ao amigo. O resto é paixão, traição, adultério.

A situação arriscada leva a jovem a consultar-se com uma cartomante, que lhe prevê toda a sorte de alegrias e bem-aventuranças.

O namorado, embora cético, na iminência de atender a um chamado urgente de seu amigo Vilela, atormentado pala consciência, busca as palavras da mesma cartomante, que também lhe antecipa um futuro sorridente.

Dois tiros à queima-roupa ao lado do cadáver de Rita o esperavam. A vitória do ceticismo coroa o episódio.

Conto que surpreende pela excelente estrutura narrativa, dividida em três partes.

Na primeira, introdutória, fica-se sabendo que Rita, dotada de espírito ingênuo, havia consultado uma cartomante, achando que seu amante, Camilo, deixara de amá-la, já que não visitava mais sua casa. Desfeito o mal-entendido, faz-se um flashback que vai explicar como se montou tal relação. Camilo era amigo, desde longínqua data, de Vilela. Tempos depois, este se casa com Rita. A amizade estreita a intimidade entre Camilo e Rita, ainda mais depois da morte da mãe dele. Quando sente sua atração pela esposa do amigo, tenta evitar, mas, enfim, cai seduzido. Até que recebe uma carta anônima, que deixava clara a relativa notoriedade da sua união com a esposa do seu amigo. Temeroso, resolve, pois, evitar contato com a casa de Vilela, o que deixa Rita preocupada.

Terminada essa recapitulação, vai-se para a parte crucial do conto. Camilo recebe um bilhete de Vilela apenas com a seguinte mensagem: “Vem já, já”. Seu raciocínio lógico já faz desconfiar que o amigo havia descoberto tudo. Parte de imediato, mas seu tílburi (espécie de carruagem de aluguel que equivaleria, hoje, a um táxi) fica preso no tráfego por causa de um acidente. Nota uma estranha coincidência: está parado justamente ao lado da casa da cartomante. Depois de um intenso conflito interior, decide consultá-la. Seu veredicto é dos mais animadores, prometendo felicidade no relacionamento e um futuro maravilhoso. Aliviado, assim como o tráfego, parte para a casa de Vilela. Assim que foi recebido, pôde ver, pela porta que lhe é aberta, além do rosto desfigurado de raiva de Vilela, o corpo de Rita sobre o sofá. Seria, portanto, a próxima vítima do marido traído.

Note neste conto sua estrutura em anticlímax, pois tudo nele (já a partir da citação inicial da famosa frase de Hamlet: “há mais cousas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia”) nos prepara para um final em que o misticismo, o mistério imperaria. No entanto, seu final é o mais realista e lógico, já engendrado no próprio bojo do conto. Reforça esse aspecto o ritmo da narrativa, que é lento em sua maioria, contrastando com seu desfecho, por demais abrupto. E não se esqueça da presença de um quê de ironia nesse contraste entre corpo da narrativa e o seu final.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s